terça-feira, julho 31, 2007

Catulo - Carmina II (tradução)

II

Passer, deliciae meae puellae,
quicum ludere, quem in sinu tenere,
cui primum digitum dare appetenti
et acres solet incitare morsus
cum desiderio meo nitenti
carum nescioquid libet iocari,
credo, ut, cum gravis acquiescet ardor,
sit solaciolum sui doloris:
tecum ludere, sicut ipsa, posse
et tristes animi levare curas.



II

Pardal, que és o prazer de minha amada,
com quem brinca e entre as mãos ela segura,
para que dê o dedo as tuas volúpias,
e te incite as bicadas pontiagudas.
Quando a minha vontade reluzir -
a ela, que com prazer, não sei, faz rir,
e eu creio que console a sua dor
e depois descanse esse imenso ardor.
- Se como ela eu puder brincar contigo,
minha triste alma encontrará abrigo.

Trad. Arthur Malaspina

*Hoje resolvi fazer um post diferente, postei essa tradução que fiz do 2º poema de Catulo... tá meio confusa, mas espero melhorá-la com o tempo...

terça-feira, julho 24, 2007

Quatro Patacas

Bom...hoje me dou ao direito de não postar nenhum texto...

Na verdade é só pra comentar o meu 1º post no meu novo blog coletivo, o Quatro Patacas.... leaim lá o texto... depois publico algo aqui...


Abraços

quinta-feira, julho 12, 2007

Layout novo, poema nem tanto

Poeminha Sem Nome

Não era exatamente o que eu queria,
porque o que eu queria, não era exato.

Não perfazia uma eternidade o que sentia,
Na verdade, não perfazia nem um segundo.

Não era exatamente o que eu havia planejado,
apesar de planos serem sempre tão exatos.

(Meu plano era exato,
mas minha tolice,
era como toda tolice,
uma curva perigosa).

* Escrevi esse poema(não consegui ainda dar título!) no ano passado(2006)... na verdade eu queria dar continuidade, mas não me veio idéia, então...

** Ahh e muito obrigado Thiago (blog) pelo novo template do blog (deu trabalho né?)...