sexta-feira, outubro 14, 2011

Sobre culpas e corpos sem alma


Fico imaginando quando foi que comecei a distribuir pérolas aos porcos. Quer dizer, isso se considerarmos que tenho pérolas à distribuir e que porcos as recebam.

Bom, porcos devem ser, pois o que mais grunhe e rasteja na lama em busca de qualquer lavagem enquanto desdenha preciosidades?

Quando foi que comecei? Qual era o meu objetivo? Recuso-me a pensar que tenho tanto tempo livre e tão pouco dentro de mim que posso me dar ao luxo - um luxo dúbio - de desperdiçar-me com qualquer tipo de verme rastejante e patético. Mas afinal, não é o que faço?

No princípio o motivo era simples, deveria ser, não tenho dúvidas. Depois tudo se perdeu em um mar de comodismo e mediocridade. Tããão Brasil como diria Bandeira.

Temos em nossas mãos uma geração perdida, que se recusa a crescer e a melhorar, que se recusa a conhecer quaisquer coisas fora do alcance da viseira que lhes foi infligida. Uma geração que esqueceu de se rebelar contra o "Homem", uma geração sem nenhum rock'n roll. Se os heróis de Cazuza se auto-destruíram, os heróis dessa geração foram fabricados numa linha de montagem com data marcada para sumir. Um ciclo de vida menor que o de um replicante.

Estou falando de uma geração que ignora a cultura clássica, ignora a cultura pop, ignora a cultura das ruas, por Deus, ignora qualquer cultura e ri com dentes de chumbo à simples menção de qualquer leitura. Uma geração que só não desdenha do conceito de conhecimento porque não possui conhecimento nenhum para saber o que é um conceito. Uma geração de carnes mortas sem alma, bonecos sem nenhuma, nenhuma consciência do quanto dão pena.

É esta a geração que estamos formando, uma geração que não sabe nada, não quer saber nada e ainda acha graça do próprio desconhecimento. É esta geração que colocaremos nas ruas, e eu não me eximo da culpa!

___________________________________________________________

Perdoem o tom agressivo, ainda mais que há muito tempo não postava nada, mas isso estava entalado na minha garganta. Prometo que voltarei ao tom do blog em sequência.